Boa noite pessoal,

Após um longo tempo sem a continuidade do curso do Spiceworks, agora vamos a parte 6 que aborda o uso de monitoramento e alertas gerados pela ferramenta, mostrando a integração do inventário e outras funcionalidades úteis e ganhos em seu uso. A ferramenta passou por um upgrade, portanto uma mudança no visual pode ser notada já na primeira figura, algumas funcionalidades foram melhoradas entre outras coisas, MAS, nada tão novo que impedirá nos conceitos e telas aprendidas no curso que não poderão ser usadas nesta nova versão.

 

Este é um capítulo curto, porém de grande ajuda e de fácil entendimento, caso queiram acrescentar em algo ou dúvidas surgirem, fiquem á vontade com as perguntas e caso necessário acrescentarei mais texto ao tópico dependendo das dúvidas. Espero que daqui 1 ou 2 mêses estarei com mais tempo livre, assim mais posts e mais dicas (isso se a banca deixar ;)). Chega de blá blá blá, vamos ao curso e espero que apreciem.

 

 

MONITORAMENTO

 


O monitoramento e alertas feitos pelo Spiceworks utilizam-se das mesmas técnicas do Inventário, através de coletas de informações usando SNMP, WMI, SSH e registros do Windows, portanto antes de iniciarmos as explicações do funcionamento e como criar alertas, tenha em mente que caso o serviço ou a funcionalidade que deseja monitorar não possua estes recursos,  a mesma não poderá ser monitorado pelo Spiceworks, mas poderá ser feito por outro softwares como Nagios, Tivoli, Zabbix, Zenoss, Microsoft System Center, etc.

Para iniciarmos nossa primeira visão de monitoramento do Spiceworks, vá em “Settings” e depois em “Monitoring” ou “Configurações” e “Monitoramento” em português. Na figura  38 observamos as configurações iniciais do software assim como algumas personalizadas:

 

Figura 38 – Monitoramento e Alertas

 

Repare que na nova aba do Spiceworks 5 (mesmo no Dashboard) não mais é possível obtermos a opção “Monitoring”, portanto deve-se ir pela opção “Settings”, como dito anteriormente e demonstrado no segundo quadro.

O spiceworks trata o monitoramento como um determinada condição criada pelo administrador, que caso ocorra será gerado um evento que consequentemente será exibido na tela principal (Dashboard), como aqueles demonstrados no início do curso, mas os alertas por si só, são eventos ocorridos quando determinada condição foi afetada e que não somente são exibidas no Dashboard, mas também enviadas por e-mail (caso desejado).

 

Vamos aos campos necessários e vistos na tela de monitoramento:

  • Name: Como o próprio nome diz, diz respeito ao nome que identificará um monitoramento a certo ativo, serviço ou software.
  • Condition: Aqui será a regra propriamente dita, uma condição determinada que caso ocorra é gerado um evento e um alerta caso desejado.
  • Applies to: Local onde deverá ser aplicado a condição determinada anteriormente, isto é útil, pois em muitos casos não necessariamente devemos aplicar uma regra para toda a rede, mas sim á um nicho em específico.
  • Email: Esta é a opção responsável pelos alertas, caso esteja marcado será enviado um e-mail aos administradores do Spiceworks (Isto somente ocorrerá, caso a opção “Notify” esteja marcado, explicado anteriormente na criação de usuários ao Spiceworks).
  • On: Determina se a regra está ativa ou não, caso desativa a regra aparece na tela principal com a cor transparente.

 

Algumas das regras estão marcadas como exemplo, como a condição que qualquer Unidade de disco (C:, D:, /var, /etc) esteja com menos de 25% livre seja criado um evento, mas lembrando que somente será aplicado ao grupo “Devices” ou seja, a regra será aplicada a todos os ativos de rede inventariados corretamente no Spiceworks, além disso um alerta será gerado e enviado por e-mail aos administradores.

No segundo exemplo, caso qualquer dispositivo fique indisponível por mais de dois minutos (testes feitos através de ping e telnet em portas de serviços, caso aplicável, portanto tome cuidado com essa regra), aplicável em “Servers”, um evento será criado, assim como um alerta. Neste caso a regra difere um pouco da aplicada acima, pois somente será gerado um evento e um alerta, caso os ativos categorizados como “Servers” ou movidos para a categoria citada estejam na condição definida.

No terceiro exemplo, é geralmente o mais usual, pois caso um software (Google Desktop) esteja instalado nos computadores, um evento é gerado e não um alerta. Neste caso, é verificada a lista dos programas instalados do Sistema Operacional e se encontrada a condição a regra é acionada.

No quarto exemplo, é muito usual, mas também necessário a configuração e disponibilização do SNMP na impressora (caso não haja, a regra citada no início deste capítulo é aplicada), a regra em questão verifica o nível de tonner ou suprimento que caso esteja menor que 30%, um evento e um alerta são gerados, lembrando que a regra somente é aplicada aos itens categorizados como “Printers”.

No último exemplo, na categoria “Networking”, caso haja alguma mudança nas configurações (IP, DNS, etc.) um evento é gerado, geralmente é aplicável em roteadores, switches, etc.

É possível também editar todos os itens demonstrados até o momento, mas como não será o caso, criaremos um novo selecionando a última opção conforme o indicador na figura.

 

A criação é bem simples, seguida por um assistente que será mostrado na figura 39:


Figura 39 – Criando uma regra

 

No exemplo da figura, temos uma exceção em relação ao nome da regra, pois neste caso criamos o tipo “Event”, que afeta o “Windows Events”, procurando, portanto eventos, alertas e erros com o número “1502”, que é um erro comum de permissão de diretórios utilizado na criação de “Roaming Profile” do Windows.  A condição só há uma “is triggered” e aplica-se aos computadores, ou seja, aos Desktops que executam sistemas operacionais como Windows XP, Windows 7, pois de nada vale para nós onitoramentos este tipo de evento em servidores (salvo as exceções em ambientes raros), e, por último marcamos para que seja gerado um evento e habilitamos a regra por fim.

Como resultado final, a criação da regra na figura 40:

 

Figura 40 – Regra criada

 

Somente para fins de exemplo, segue na figura 41 uma regra que pode ser editada selecionando a opção “Edit” em seu canto direito:

 

Figura 41 – Editando uma regra

 

Como podem ver, não há muitos segredos para se configurar o monitoramento no Spiceworks, os eventos valem tanto para softwares, tickets (veremos no próximo capítulo), ativos, softwares, etc., alguns já são configurados por padrão e podem ser editados posteriormente, além da alta variedade de formas que se pode criar monitoramentos e alertas que são enviados por e-mail, aumentando a produtividade e melhorando a visão da rede do administrador.

O próximo capítulo tende a mostrar sobre a criação de um Helpdesk com o Spiceworks, assim utilizando as funcionalidades de Inventário, Monitoramento e alertas também, será um pouco grande porém com diversas explicações e detalhes importantes, poderá demorar um pouco para sair devido a minha transição de novo emprego, mas não impedirá que saia ; ), muito pelo contrário, novos artigos podem sair das novas experiências que ganharei : ).

 

Desejo á todos uma ótima semana e até a próxima !

Att.
Heitor Lessa

Anúncios